segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Sociedade

Em pleno século XXI o racismo e o preconceito ainda existem no seio das várias sociedades. Os cidadãos ainda não aprenderam a respeitar quem os rodeia. Criticam-se todos aqueles que têm uma nacionalidade ou religião diferente, os que são de outra etnia ou cor, criticam-se as diversas formas de vestir e estar, critica-se tudo aquilo que é diferente e, por essa mesma razão, considerado inferior. Porém, quem se julga superior por causa do seu estatuto social, cor, religião e/ou hábitos, não é, se não aquele cuja ignorância (e essa, sim!) é superior aos demais. 
Ainda assim, todos estamos dispostos a apontar o dedo aos preconceituosos sem pensar que, todos nós, pelo menos uma vez na vida, também já criticamos alguém, também já descriminamos alguém. Será, no entanto, mais fácil criticar do que aceitar as diferenças? Ou será que essa discriminação não é, se não pura maldade? 
Qualquer pormenor, por mais insignificante que seja, pode vir a ser alvo de preconceito na sociedade atual que, apesar de ser uma sociedade estudada e com conhecimentos alargados, ainda não adquiriu valores essenciais como o respeito. 
Tantos exemplos poderiam ser dados para provar esta triste situação! Nas escolas, muitos alunos com excesso de peso são discriminados pelos colegas e, por vezes, até por professores, são postos de lado da maioria das atividades e alvo de troça. Mas se os jovens já sabem criticar, então, que é feito dos valores que supostamente lhes foram impingidos pelos seus educadores? Porque é que ninguém foi capaz de lhes ensinar o verdadeiro significado da palavra ‘respeito’? Porque ninguém pode ensinar algo que não aprendeu. 
E porque é que uma pessoa que tenha piercings e tatuagens é olhada de lado, sendo o seu aspeto, muitas vezes, principal fator para que a pessoa não consiga um determinado cargo, um determinado emprego… Isso é inadmissível! 
Não é o aspeto físico que uma pessoa que define quem esta é: se é boa ou má pessoa; se trabalha bem ou mal. Não é a sua cor ou religião que faz de alguém um bom ou mau cidadão. Aquilo que define uma pessoa são os seus valores! E se a pessoa não sabe respeitar o que é diferente então uma grande quebra esbarra contra os seus valores.
Temos de compreender que nem sempre os nossos ideais são os mais corretos, que não somos perfeitos e que nem toda a gente precisa de ser igual a nós para ter os mesmos direitos que nós temos.
Após estas palavras debato-me com um grande dilema, tal como eu, outras pessoas também reconhecessem estes defeitos da sociedade, no entanto, nós criticamos a sociedade mas nós somos a sociedade, e quando se apontam os seus defeitos há que ter em conta que estes também nos pertencem e que ao criticar a sociedade também nos estamos a criticar a nós próprios, e que se algo tem de ser feito para alterar a situação acima descrita então nós devemos ser os primeiros e colocar em prática as medidas necessárias. 
É a nós, cidadãos, que cabe espalhar os valores de que a sociedade tão urgentemente necessita, e mesmo que ninguém siga os nossos passos, pelo menos a nossa consciência fica purificada… 

Sem comentários:

Enviar um comentário