sábado, 29 de março de 2014

Juventude

«Juventude, palavra de significados loucos, os que a aproveitam devidamente são poucos. É a única oportunidade que temos de levar algo desta vida. A única certeza que temos é a de que nascemos para morrer por isso choramos, rimos, descobrimos, sonhamos, construímos, erramos e sentimos! Porque ser jovem é o desejo de ser um adulto realizado. Mas não importa o quanto batalhamos por isso, será uma coisa que nunca ninguém poderá ditar. O nosso futuro somos nós. 
Mas aqui estás tu. Quando a noite chega esvais-te em lágrimas no quarto. Esqueces todas as expectativas que tinhas, todas as palavras de consolo, já não acreditas em nada. Quando pensas mais do queres dói mais do que aguentas. Estás enganada em relação a tudo. Odeias estar enganada. Dói-te o medo que sentes mas dói-te mais o que querias sentir. Dói-te a coragem que tens. Sem forças nem esperança. A esperança perdeu-se na luta, depois de tantas quedas. Agora és só tu apenas rodeada de sonhos, sonhos perdidos, deitados por terra. Foste mais uma que se perdeu no caminho de volta. Tornaste-te no que mais temias. Ninguém sabe o quão infeliz estás, ninguém sabe pelo que tens passado. Lembras-te de tudo, de tudo o que não querias lembrar. As memórias fazem-te ainda pior. Sem rumo, sem ideias, sem ambição ou determinação, ficas-te pelo chão. Agora vives apenas para uma estatística de 6 bilhões de pessoas, será que farás falta no meio de tanto humano? Quem és tu afinal? Estará a criança que foste orgulhosa do que és agora? Mas dolorosamente já nem te interessa.
Quando morreres toda a gente vai dizer que eras linda e simpática e toda a gente vai desenvolver um carinho por ti, mas agora dizem que és antipática e estranha, julgam-te, pisam-te e destroem-te. Humanos desumanos. Por isso talvez seja melhor estar morta. Já nada vale a pena, nada te motiva. Agora toda a gente vai dar valor ao que eras. Tens todo o teu futuro nas mãos. És tu que escolhes o caminho. Tens todo o tempo do mundo, ou provavelmente não. O próximo passo é teu. » 

Marta Fernandes

Sem comentários:

Enviar um comentário