sexta-feira, 10 de julho de 2015

"Amor de Mãe Não Tem Número" - Conversa com a autora, Liliana Fernandes

A temática abordada é algo não muito comum na literatura infantil. 
Liliana Fernandes publicou um livro infantil que fala de questões relacionadas com a adoção por parte de casais homossexuais. 


1. “Amor de Mãe Não Tem Número” é o seu primeiro trabalho enquanto escritora? 
É sim o meu primeiro trabalho oficial/publicado. Embora já tivesse feito alguns rascunhos de outras obras.

2. O que surgiu primeiro: a ideia de escrever um livro para crianças ou a ideia de escrever sobre a adoção homossexual? Ou as duas em simultâneo? 
Foi a ideia de escrever o livro para crianças, porque esta ideia surgiu de uma "necessidade" ... Quem me conhece sabe que adoro e gasto muito tempo em passatempos e foi num desses passatempos que me surgiu o desafio de escrever um livro infantil (coisa que nunca tinha considerado, por ser extremamente complexo escrever para crianças, acreditem!). Não sendo uma pessoa que goste de "escrever por escrever" queria uma mensagem que tocasse num ponto que, para mim, é fundamental e deve ser visto de diferente forma na nossa sociedade.

3. Foi difícil escrever este livro? 
Foi complicado, mas mais fácil do que idealizava. Quem escreve para crianças deve estar ciente de alguns pontos:
- É preciso usar palavras adequadas ao seu nível cognitivo (mas não ser demasiado básico, na minha opinião... torna-se, em parte, estimulante a nível linguístico)
- Nunca sabemos que sentido poderão dar a uma frase;
- Temos de captar a sua atenção em "cada palavra";
- Temos de lhes ensinar algo;
- Não devemos dar enfoque a questões negativas que surjam na história;
Isto de escrever para crianças não é pera doce…

4. Este livro é 100% fruto da sua imaginação enquanto escritora ou é inspirado em algum caso da realidade? 
A história é 100% fruto da minha imaginação com fundamento nalguma pesquisa e conhecimentos sobre situações idênticas que possuo. Também como inspiração tenho junto de mim pessoas que, sendo homossexuais, me dão certezas da sua capacidade para um dia criarem e amarem uma criança, num ambiente que lhes é favorável ao desenvolvimento.

5. Este livro contem uma mensagem para os adultos do futuro. Essa também pode ser uma mensagem para os adultos do presente? 
Completamente! Tenho dito e continuarei a dizer: tenho a certeza que todos os pais irão ler este livro antes de o entregar nas mãos de uma criança e, ainda assim, decidirão fazê-lo. E, na verdade, espero que assim seja para que a mensagem chegue, de facto, aos adultos do presente. 

6. Porém, adoção homoparental é um tema que tem sido muito discutido e continua a ser reprovado por muita gente. Será que todos os pais irão mesmo permitir que os seus filhos leiam este livro? Não teme que algumas famílias não o aprovem? 
Eu não temo partilhar a minha opinião. Cada um tem a sua, na sua liberdade plena de a ter. Não imponho a minha opinião a ninguém e espero a mesma atitude dos outros. Nem todos os pais permitirão. Da mesma forma que uns estimulam os filhos a dizer "obrigada/o" e outros não dão importância ao agradecimento... São modos de educar. O que espero, sinceramente, é que as pessoas compreendam a necessidade de se educar no amor e respeito pelo outro.

7. Que críticas têm sido feitas ao livro? Tanto por crianças como por adultos…
Ao contrário do que esperava inicialmente, a aceitação tem sido enorme! Tanto adultos (de uma faixa etária abrangente, até aos 70's) como crianças, me têm dado um feedback positivo. Mais os adultos, porque as crianças, essas, não veem sequer problema na situação descrita… são simples...

8. Para terminar, onde é possível adquirir o livro?
O livro pode ser adquirido junto de mim, nos momentos de apresentação/promoção, que podem ser acompanhados na minha página;
Online, nos sites:
E brevemente nas livrarias que anunciarei…

Sem comentários:

Enviar um comentário