terça-feira, 3 de novembro de 2015

Amores de Outono

A chuva cai. Cada pingo de água transporta mais aconchego que o anterior. 
Porque só se fala em "amores de verão"? É proibido amar no inverno? E no outono? 
As folhas acastanhadas que esvoaçam em redor da árvore estão apaixonadas. Só podem estar. Que outra razão as levaria a voar, incansavelmente, só porque o vento assim decretou? Aposto que estão todas apaixonadas pelo vento. Esse senhor com ar de altivez mas, desenganem-se, é um cavalheiro e tudo o que faz com as folhas serve para lhes mostrar que a vida não é só estar-se pendurada num ramo de uma árvore, aconchegada pelos frutos. Há a possibilidade de viajar, de conhecer outras árvores e outras folhas, todas diferentes. 
Amores de Outono. Aposto que são mais verdadeiros que os de verão. 
As árvores despem-se, exibindo a sua essência. Os seus ramos quebram, só os mais fortes resistem. As folhas viajam, o vento é o seu guia turístico. 
Humanamente falando, o amor, no outono, assume uma dimensão mais afetuosa, mais pura, é seguro dizer. 
Amores de verão... O que são rascos e passageiros amores de verão comparados com o requinte dos avassaladoramente inesquecíveis Amores de Outono? 

Sem comentários:

Enviar um comentário