segunda-feira, 2 de maio de 2016

"A arte é capaz de mudar o mundo" - Hélder Antunes

Hélder Antunes tem 18 anos, vividos em comunhão com a arte. Faz teatro, ilusionismo, compõe músicas, escreve canções e poemas. Recentemente, publicou o livro "Amar é Viver", pois acredita que só se vive quando se ama. 
Com o autor, na apresentação do seu livro
És um artista. Nasceste assim ou trabalhaste para isso?

Creio que não nasci como artista, nasci sim numa família de artistas, o que fez com que, definitivamente, me torna-se mais um artista nesta família. Isso já me ajudou muito, sem esta família nunca iria ser o que sou, mas para além disso, foi preciso muito trabalho, muito esforço. Em todas as vertentes artísticas foi preciso aprender, praticar e acima de tudo ver muitos outros artistas, quer da família ou não. Digo que sou 50/50. Foi preciso a minha família e foi preciso o trabalho. Fico eternamente grato à minha família e ao esforço que fiz, quer por vontade própria, quer ouvindo “sermões” de professores, familiares e amigos que só queriam o melhor para mim.

Fazes ilusionismo, teatro, músicas e poemas. De todas as artes que dominas existe alguma que te seja mais especial ou estimas todas da mesma forma? 
Creio que as que mais estimo são as que quase nasceram comigo, isto é: a música e o teatro. Todas as outras são muito “recentes” (pintura, ilusionismo, poesia), daí ainda não ter o mesmo carinho, mas gosto imenso de as praticar e pretendo saber sempre mais sobre elas. A música e o teatro faço desde de que me lembro, isto é, desde que tenho consciência. Aprendi desde muito cedo música com o meu avô materno, juntamente com os meus irmãos, e exatamente como os meus tios também aprenderam. E neste começar nunca mais parei, estudando já música acerca de 12 anos. Acabei o 8º grau de música, o próximo passo seria já a universidade, mas ainda estou no 12º ano. Então a par com isto estou a tirar canto, que também adoro. Acho que não há um dia em que não vá ao piano, (só se não dormir em casa e que não tiver onde tocar). Relativamente ao teatro, comecei a assistir às peças de teatro que o GCRR (grupo cultural e recreativo de Rossas) fazia. Aos poucos, fui crescendo e fui participando nos meus primeiros espetáculos, começando apenas por desfilar em danças ou como figurante, depois, fui tendo pequenos papeis com uma fala ou outra, entretanto, comecei por cantar canções a solo e uma que me marcou muito e acredito que tenha sido o meu primeiro êxito foi a “Mula da cooperativa” que acho que cheguei a fazer umas 20 vezes no mínimo, e atualmente costumo ter papeis já razoáveis com bastantes falas e atuo com muitas pessoas com quem aprendi e considero modelos a seguir. Acho que conseguiria abdicar do ilusionismo, pintura e poesia de momento, mas do teatro e da música acho impossível, seria a minha morte psicológica. 

Dizes que a pessoa que mais te inspira é o teu tio. Gostavas de, um dia, seres uma fonte de inspiração para, por exemplo, um sobrinho? 
Sim, ser inspiração de alguém acho que é uma das melhores coisas que se pode sentir na vida, apesar de ainda não a sentir. Gostava de ter alguém, neste caso um sobrinho, que gostasse de ser como eu sou e fazer o que faço. Gostava de poder olhar para ele e ver que estaria a passar pelo que passei, que estaria a aprender o que aprendi e que estaria a sentir o que senti. Iria ser um grande orgulho poder ver, sentir e amar uma pessoa em que tudo o que ela queria era ser como seu tio (neste caso eu). De momento, o meu tio Miguel é o meu herói e só quero um dia ser metade do que ele é. Espero ser, futuramente, um tio como o meu tio. Tudo o que peço é que tenha assim um sobrinho e se tiver o que desejo para ele é ter, também no seu futuro, um sobrinho que o faça sentir o mesmo, para poder passar por papel de sobrinho e de tio, por outras palavras papel de lutar para ser herói.

"Amar É Viver" foi o nome que escolheste para o teu livro. Se invertermos a frase ela perde sentido ou também é legítimo afirmar que "Viver É Amar"?
Na minha opinião, perderia o sentido. Se não perde, fica com menos “cor”, transmite muito menos sentimentos/emoções. Acho que uma pessoa só vive a vida quando ama. Uma pessoa quando merece a vida, isto é, quando nasce, não vai definitivamente amar. Certamente o fará e certamente sentirá o amor na sua vida, na família, nos amigos, no trabalho, no seu companheiro(a) que será certamente o amor de sua vida. Mas isto não é certo, tanto pode acontecer como não, varia de pessoa para pessoa, daí muitas pessoas sentirem apenas ódio pelas outras e daí ainda haver muita guerra. Estes vivem, mas não amam. Agora no caso de “Amar é viver”, todos os que amam vivem! Porque o amar o próximo, amar as coisas e amar o que se faz, já é o estar a viver, aproveitando e saboreando a vida. Ao amar estão a dar cor à sua vida, estão a fazer com que valha apena. Ao viver, poderão não amar, e uma vida sem amor não é vida, é uma vida com tempo, com idade, no fundo, uma vida perdida. Logo sou a favor de “Amar é viver!” e não “Viver é amar!”.

Num dos teus poemas dizes: "E pensar é uma coisa/Que não devia fazer". Consideras que quem faz arte sente mais do que pensa? 
A autografar alguns livros (foto: município de Arouca)
Sim, sem dúvida. Até porque a arte em si surgiu, na minha opinião, toda de forma espontânea, surgiu sem antes ser pensada. Isto em todo o tipo de arte. No caso da música, quando estou a tocar, quase que não penso no que estou a fazer, apenas toco e a música flui por si e consigo senti-la. Se eu pensasse enquanto toco certamente que tiraria a “cor” à música, não transmitiria as mesmas emoções/sentimentos do que simplesmente estar a sentir o que estou a tocar. Acho que o verdadeiro artista é aquele que sente o que faz e que não se limita a fazer o que tem de fazer. Eu admiro mais um artista que sente do que um artista que atua. Dando mais um exemplo na música diria que prefiro ouvir e ver um músico que realmente está a sentir o que está a tocar, apesar de ter tocado algumas notas erradas, do que estar a ouvir e ver um músico que pode não falhar uma nota, mas que simplesmente não deu “cor” à música, não mostrou o que estava a sentir. Há uma frase de Beethoven que diz: “Tocar uma nota errada é insignificante. Tocar sem paixão é imperdoável." No fundo, adaptando para a arte no geral, eu acho que um artista deve focar-se na qualidade de sentir e não em ter a capacidade de conseguir fazer algo. Um artista é artista quando sente e não quando faz. 

As pessoas que te conhecem enaltecem a tua humildade. Consideras essa uma caraterística importante no mundo das artes? 
Sim. Acho que uma pessoa deve ser sempre humilde aceitando tudo e todos. Deve sempre fazer o bem mesmo quando recebe, na maior parte das vezes, o mal. Um artista deve fazer o mesmo. Deve ser sempre humilde, ao ponto de aceitar todas as críticas e de aceitar também a arte dos outros. O que para uma pessoa é arte para outra pode não ser. Mas acho que artista que é artista consegue sempre ver arte em tudo e aceita-a como tal. Fica sempre bem e só enriquece o artista quando este é humilde ao ponto de só querer aprender e crescer aprendendo cada vez mais com os outros e com a arte dos outros. Maior é o artista que é humilde, pois humildade é sentir mais e pensar menos, é amar mais e odiar menos, é o ser pouco não mostrando ser o muito.

Quais são as principais diferenças entre o Hélder artista e o Hélder pessoa?
Considero o Hélder artista mais alegre que o Hélder pessoa. O Hélder artista é aquele que existe dentro do Hélder pessoa, quase que como o sonho do Hélder pessoa, tudo o que ele anseia ser. Mas há momentos em que o Hélder pessoa e o Hélder artista são a mesma pessoa e estão a ser mostrados ao mesmo tempo. O Hélder pessoa considero que, dependendo da sua companhia, varia em mostrar muito ou pouco o seu Hélder artista. Quanto mais o Hélder artista aparece, mais feliz o Hélder pessoa é e em melhor companhia se sente. Acho que no dia-a-dia, na escola, na rua, o Hélder pessoa é naturalmente muito sério, o que para as pessoas ao seu redor faz pensar que seja tímido, fechado, calado, alguém que nunca na vida seria uma espécie de Hélder artista, este que é alegre, risonho, humilde, etc. Tento sempre ser eu mesmo e o Hélder artista apenas aparece quando deve aparecer, daí haver o Hélder pessoa e o Hélder artista. A maior diferença diria que é a força de viver, sentir e amar, sendo maior no Hélder artista do que no Hélder pessoa.

Há mais amor na arte ou há mais arte no amor? 
A arte e o amor são duas coisas inexplicáveis, na minha opinião. Varia de pessoa para pessoa. Umas apreciam arte outras não. Umas amam outras não. Umas sabem o que é a arte mas não ligam. Umas sabem o que é o amor mas não ligam. Outros sabem bem o que é a arte e anseiam por isso mas nunca chegam a obter. Outros sabem o que é o amor e anseiam por ser amados mas nunca o são. Em relação ao amor na arte eu acho que a arte só surge quando feita com amor, com sentimentos, com emoções, com cor, se não, não é arte. E de facto, depois de esta ser executada, também é certamente apreciada com muito amor pelo apreciador. Este irá sentir todo o amor que a obra de arte contém. Todo o amor que o artista transmitiu para a sua obra de arte. Acho que amor na arte há muito. Todo o artista sente, vive e ama. Em relação à arte no amor acho que o amor é uma arte, é inexplicável. O conseguir amar já é um dom. O conseguir amar alguém que nos ama, alguém que não existe, alguém que não nos ama, alguém imaginário, etc. Todos estes tipos de amor, são inacreditáveis e inexplicáveis. A arte de amar é rara e bonita. É o amar que, para mim, define uma pessoa. Quanto mais uma pessoa sente, mais ela ama, mais ela vive. Acho que estão 50/50. Tanto há amor na arte como arte no amor. Mas se tivesse que optar por uma, escolheria a arte no amor, a arte de amar, porque isso iria levar-me de certeza a fazer tudo com amor, que por sua vez iria fazer com que tudo em que tocasse ganhasse vida e se tornasse em arte.

Estás no 12ºano do curso de artes visuais. Que objetivos tens para depois de concluíres o ensino secundário? 
O meu objetivo é continuar a amar todos, continuar a fazer aquilo que amo. Certamente irei ficar com menos tempo na minha vida, ficarei certamente mais ocupado após entrar num curso superior, mas quero, mesmo assim, não deixar de fazer o que mais amo, principalmente a música e teatro. O meu objetivo é nunca deixar de viver com amor e procurar fazer o que amo.

Acreditas que a arte é capaz de mudar o mundo? Enquanto artista sentes-te capaz de mudar o mundo ou contribuir para isso? 
Sim, a arte é capaz de mudar o mundo. Porque a arte é definitivamente amar, logo o amor é, para mim, o principal fator para mudar o mundo. A arte é onde as pessoas mostram o que realmente sentem, seja lá que tipo de arte for: música, poesia, dança, canto, pintura, tudo mesmo. Sentir é arte. Amar é sentir. Logo arte é amar. O artista é o que ama, alguns dos artistas têm um carinho especial pela sua arte, mas penso que todos os bons artistas aceitam todo o tipo de arte. Revertendo para o amor, nós podemos amar todas as pessoas, mas vamos sempre amar as que nos são mais próximas, às quais temos um carinho especial. O artista, o amante da vida, não digo que é capaz de contribuir para mudar o mundo mas sim capaz de mudá-lo, nem que seja sozinho. Este tem que se sentir capaz de tudo, ao sentir somos capazes de tudo, basta sentir, basta amar. Ao deixarmos o nosso amor no mundo, no próximo, nas pequenas coisas do dia-a-dia, o mundo começa a mudar, nem que seja só para nós, os amantes da vida. O mundo do artista é o seu próprio mundo, não o que os outros pensam, não o que os outros sentem. Toda a gente é capaz de mudar o seu próprio mundo, quando falamos em mudar o mundo devíamos falar em mudar o nosso próprio mundo, a nossa própria maneira de viver, sentir mais, amar mais! Isso é o que realmente falta no mundo, ter consciência que o mundo é de cada pessoa. Cada pessoa tem o seu próprio mundo a par de bilhões outros mundos que existem. Sentimos de maneiras diferentes, amamos de maneiras diferentes, vivemos de maneiras diferentes. Não queremos mudar o mundo para torna-lo monótono, queremos e devemos sim mudar o nosso próprio mundo, faze-lo mais feliz, mais vivo, mais colorido, com mais sentimento, emoção e amor! Todos nós somos artistas. Apenas uns mais que outros. Porque todos sentimos. Uns mais e outros menos. Uns mostram o que sentem outros não. Se nós mudarmo-nos com o objetivo de viver com amor, o mundo definitivamente muda para nós.
A declamar um dos seus poemas, na apresentação do seu livro (foto: M.A)
Como imaginas a tua vida daqui a 10 anos? 
Daqui a 10 anos, em 2026, terei os meus 28 anos. Ora bem, imagino-me já formado em algum curso que goste, possivelmente já a trabalhar. Serei certamente ainda um grande amante de música e de teatro. Espero que por essa altura já tenha encontrado o amor da minha vida, para me casar por volta dos 30 anos, para poder começar a construir a minha família, para poder amar ainda mais do que o que amo, para trazer mais artistas ao mundo, para poder criar um mundo melhor. Quero que todos os que amo estejam presentes daqui a 10 anos, pois fazem parte de mim, e se partirem é uma parte de mim que parte com eles também. Gosto de imaginar que vou amar e ser amado.

Sem comentários:

Enviar um comentário