segunda-feira, 20 de junho de 2016

Arouteatro: "formar todos os que amam o teatro e que não querem ficar só pelo lado amador"

Sérgio Ribeiro
Arouca, terra onde o associativismo é, desde sempre, uma palavra bem conhecida das suas gentes, tem agora uma nova associação - Arouteatro - que aposta na formação teatral. À frente deste projeto, está Sérgio Ribeiro, estudante de Teatro e Artes Performativas, na Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro (UTAD). 


De onde surge a necessidade de criar uma associação que visa formar atores?
Desde pequenino, que gosto e faço teatro e então tive sempre o objetivo de obter formação nesta área. Após vários anos de procura, cheguei à conclusão de que Arouca não tem qualquer escola ou grupo capaz de satisfazer a necessidade da educação na área do teatro. Se quisesse aprender algo mais teria de me deslocar para cidades próximas. 

Qual o papel que desempenha o teatro nas sociedades portuguesas? 
A sociedade portuguesa gosta de ir ao teatro. Talvez para esquecer os seus problemas por alguns minutos, para se rirem ou até mesmo para aprenderem algo novo. E o teatro é mesmo isso, não só uma maneira de expressar mas também uma maneira de ensinar, de entreter e de ajudar o outro. 


Quais os principais objetivos para o projeto Arouteatro? 
O principal objetivo do projeto Arouteatro é formar todos os que amam o teatro e que não querem ficar só pelo lado amador. Dar conhecimento às pessoas das várias áreas existentes nesta arte, com a finalidade de mostrarem ao público toda a aprendizagem obtida. 

Como irá funcionar a associação?
A associação gostaria de trabalhar em todas as freguesias que quisessem aderir a esta formação. 
O objetivo é criar algumas ‘turmas’ por faixas etárias e dar formação a elas mesmas e ter como produto final um espetáculo aberto a todo o público. 

O que aprendeste na licenciatura que irás aplicar no projeto?
Bom, o teatro é uma aprendizagem constante que requer sempre pesquisa e mais pesquisa. É claro que muitos exercícios, muitas teorias que aprendi na licenciatura irei aplicar no projeto mas não me ficarei só por aí. Irei também aplicar exercícios novos consoante o grupo e as suas necessidades de aprendizagem. 

Como é que a população arouquense olha para o teatro e em que medidas costuma aderir?
Cada vez mais a cultura em Arouca está a ser desenvolvida. Cada vez há mais concertos, filmes, exposições e teatros no concelho. O público arouquense adora a arte e por isso sempre que pode está presente nesses eventos, tanto como público como participante.

De que forma irá o Arouteatro enriquecer o concelho?
Desde já, esta associação me irá enriquecer tanto a nível pessoal/sentimental como também profissional. A troca de ideias enriquecerá não só os formandos como também os formadores. Juntos irão trabalhar para que o Teatro em Arouca tenha mais impacto. 
Que cada espetáculo apresentado dê sempre alguma moral e/ou conhecimento ao público. 

És o líder deste projeto. Liderar é para ti algo novo ou algo já habitual?
Sim, de facto escolheste bem a palavra. Um líder trabalha em equipa e é isso que nós somos, uma equipa. É a primeira vez que estou neste papel embora não me considere como tal pois a associação é um projeto de todos os envolvidos e conto com eles para juntos o levarmos para a frente. 

Quais são as expetativas relativamente à adesão dos arouquenses? 
Pelo que tenho reparado ao longo dos anos, o povo arouquense procura estar envolvido à Arte. 
Cada vez há mais jovens a querer seguir esta área assim como pessoas de outras faixas etárias com o gosto enorme pelo Teatro. Por isso, chego à conclusão que terá bastante adesão.

O que tens a dizer aos Arouquenses amantes das artes do palco?
O Teatro é uma paixão enorme e para mim é sem dúvida a Arte mais bonita. É bom poder ter novos sentimentos, ser novas personagens e viver novas ações. É bom partilhar isso ao público e receber as suas palmas que tanto enriquecem os atores. Teatro só é teatro graças ao público e sem dúvida aos atores. 
Por isso, convido todos os arouquenses que queiram partilhar este amor a juntar-se a nós, a obter a formação, a criarem a sua personagem de modo a se enriquecerem com as palmas do público.
Sérgio, na Recriação História de Arouca, 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário